Novas regras para aposentadoria
Furlaneto Advocacia - Escritórios de Advocacia em Curitiba -  Execução de Contratos em Curitiba

Novas regras para aposentadoria

Desde 1º de março, também passou a valer o tempo mínimo de contribuição para obtenção da pensão por morte.
Entre as regras estão o tempo mínimo de contribuição para obtenção da pensão por morte e a ampliação do prazo para o trabalhador receber o pagamento diretamente da empresa em caso de afastamento.


Confira as novas regras:
Pensão por morte – Novas regras para o Auxílio-Doença

Desde o dia 1º março, o tempo mínimo de contribuição para acesso à pensão por morte será de dois anos, exceto em casos de acidente de trabalho e doença profissional ou do trabalho.
Em relação ao valor, está estabelecida uma cota fixa correspondente a 50% do benefício, acrescida de mais 10% por dependente do segurado (cônjuge, filho ou outro). Ou seja, os beneficiários farão jus a, no mínimo, 60% do valor.
É importante lembrar que ninguém receberá menos do que um salário mínimo, que corresponde ao piso previdenciário. Atualmente, 57,4% das pensões correspondem ao salário mínimo (R$ 788,00).
O benefício continuará vitalício para cônjuges com 44 anos de idade ou mais. Para cônjuges com idade inferior a 44 anos, o tempo de duração da pensão será escalonado de acordo com a expectativa de sobrevida, projetada pelo IBGE. Há exceção para cônjuges inválidos, que terão direito à pensão vitalícia.
Desde 14 de janeiro, já estão sendo exigidos dois anos de casamento ou união estável para gerar a pensão por morte. Nesse ponto, há exceção em casos de acidentes de trabalho após o casamento ou quando o cônjuge/companheiro for incapaz/inválido.
Também já está em vigor a exclusão do direito à pensão para os de¬pendentes condenados pela prática de crime doloso que tenha resultado na morte do segurado.
Auxílio-doença
No caso de o segurado necessitar requerer auxílio-doença, desde 1º de março, o cálculo do benefício não pode mais exce¬der a média das últimas 12 contribui¬ções.
E a empresa agora tem de pagar até 30 dias de afastamento. Pela nova regra, o trabalhador só necessitará ser atendido pela perícia médica do INSS a partir do 31º dia.
A MP 664 prevê ainda a realização de convênios, sob a super¬visão do INSS, com empresas que possuem serviço médico, órgãos e entidades públicas.

Entre em Contato
Furlaneto Advocacia - Escritórios de Advocacia em Curitiba -  Como receber auxílio doença em Curitiba

Nome *
E-mail *
Telefone *
Mensagem:

NOSSOS PARCEIROS
Furlaneto Advocacia - Escritórios de Advocacia em Curitiba - Ação de Cobrança em Curitiba

Comercial no melhor sentido, nossos parceiros fornecem conhecimentos especialistas e colaboram estreitamente para atender a todas necessidades.